Novo Espaço de Coworking: Integração de Shopping e E-commerce

Já pensou em trabalhar em um espaço em que você possa interagir com grandes marcas diariamente para criar tecnologias que realmente atendam as necessidades delas? E se, além disso, essa tecnologia pudesse ser testada por consumidores de verdade, praticamente em tempo real?

Isso não é mais uma idealização e uma sim realidade. Um novo conceito de Coworking foi criado, o nome é Bespoke, e esse lugar “dos sonhos” fica lá em São Francisco, nos Estados Unidos.

Para quem nunca ouviu falar,  Bespoke (que, em português, significa “sob medida”)é um espaço de coworking e eventosque foi criado pela Westfield Corporate para potencializar a inovação. Nesse conceito, o coworking é muito mais do que simplesmente dividir custos e interagir com outras empresas: é uma oportunidade real de colaboração, para que as inovações sejam criadas sob medida e levadas ao mercado.

Vamos entender melhor o que é o Bespoke?...  É um Shopping,coworking ou laboratório?

O Bespoke é um projeto local, idealizado para unir empresa online e offline, com possibilidades de melhorar o atendimento dos seus clientes, fomentar a inovação e trazer o e-commerce para o mundo real.

Nesse caso, inovação significava interagir e conquistar compradores online.

E, entendendo esse cenário, veio à ideia de fazer com que essas marcas interagissem com empresas de inovação, desenvolvedores de tecnologias em geral, como: wereable devices, (dispositivos vestíveis, produtos que integram tecnologia ao ser humano), desenvolvedores de aplicativos baseados em geolocation (ferramenta de localização geográfica), entre outros prestadores de serviços digitais focados no varejo.

Então, a solução proposta para isso acontecesse de forma mais natural, abrindo a rede de networking entre varejistas e empresas de tecnologia, foi à criação de um espaço de coworking dentro de um shopping em San Francisco.

E o projeto não parou por aí!

A ideia não era apenas proporcionar para esse mercado prestadores de serviços que desenvolvessem novas tecnologias capaz de atender todos os varejistas do shopping. O projeto deveria ir adiante para ser realmente fomentador de inovação!

Logo, foi estabelecido que além de ter todas as tecnologias desenvolvidas sob medida para as marcas estabelecidas ali, o coworking deveria proporcionar a possibilidade de essas tecnologias serem testadas pelos consumidores das marcas.

A ideia passaria então do mundo físico para o online, pois proporcionaria às startups utilizarem o espaço físico para vender os produtios online, entendendo em tempo real o comportamento do consumidor on e off.

Qual local seria mais indicado para realizar tudo isso do que um shopping, que tem mais de 20 milhões de pessoas circulando por ano? As marcas já estaríam ali, os clientes já estão circulando por ali, o feedback viria em tempo real e cara a cara!

O shopping era cenário dos sonhos porque ali seria possível entender como os clientes usam os protótipos, entender necessidades não indetificadas pelas marcas para aprimorar a usabilidade do usuário, ajudar os desenvolvedores a melhorarem esses novos produtos antes mesmos de eles serem lançados no mercado, reduzindo muito o risco de rejeição do público e evitando possíveis prejuízos.

Ou seja, Beskope = proposta de interação entre marcas que realmente induz a colaboração!

Nesse espaço, onde o Beskope está,  já existem marcas estabelecidas no mercado e agora seria viável uni-las às startups de tecnologia para que fossem criadas soluções que atendam às demandas dos consumidores através de uma experiência omni-channel (homem como canal). É um ambiente de teste ao alcance da mão, a qualquer hora!

Para os idealizadores do Bespoke, o maior mérito desse espaço foi repensar as experiências vividas, tanto por empresas quanto por consumidores. E é nesse repensar de experiências que os espaços de coworking tendem a trabalhar para criar novos valores para seus clientes.

SOBRE A ESTRUTURA: O Bespoke tem uma estrutura física digna do Vale do Silício!

Se o espaço chama a atenção em conceito, o espaço físico não fica atrás: a estrutura reflete a cultura do Vale do Silício. Como o coworking fica no quarto andar do Shopping Westfield em São Francisco, que recebe cerca de 20 milhões de pessoas por ano, à primeira vista parece uma loja como as outras ali instaladas.

Os espaços colaborativos ocupam uma área de 1.300 metros quadrados e têm capacidade para 200 pessoas. Todos os equipamentos e amenidades são compartilhados pelo grupo.

Mas, o que esse espaço oferece?

·       12 salas de conferência, que podem ser convertidas em lojas voltadas para o shopping – facilitando a pesquisa de conceito com clientes do shopping.

·       Área de demonstração de tecnologias de (ambiente high-tech, high-touch), com telas de sensor touch do tamanho de uma parede.

·       Centro de eventos de com capacidade para até 1200 visitantes. Esse centro é reversível em salas menores.

·       Cozinha compartilhada, com acesso a aplicativos para pedir comida da praça de alimentação do shopping.

·       Diversos ambientes e tecnologias de entretenimento – como a estrutura de bocha, com grama artificial, no meio do escritório, com direito a um pequeno “estádio”; e parede de escalada.

·       Empreendedores de tecnologias, principalmente voltadas para o varejo, prontos para criar soluções cada vez mais inovadoras.

Será que esse novo conceito de espaço coworking vem para o Brasil? Compartilhe sua opinião com agente!