4 tendências do coworking como impulsionador de negócios

 

Em meio a uma crise econômica, os escritórios compartilhados estão crescendo em número e tamanho e mesmo o perfil de clientes está mudando.

Hoje, esses espaços, tradicionalmente conhecidos por abrigar startups e profissionais freelancer, estão se tornando a solução para redução de custos de empresas de vários portes. Mas as tendências do coworking em 2016 vão além disso: os escritórios compartilhados estão se tornando verdadeiras ferramentas para impulsionar negócios e gerar oportunidades, principalmente por facilitar networking e trocas de informações entre as empresas.

Com as restrições de mercado, que provocam receios quanto a investimentos de longo prazo; somadas à alta taxa de desemprego no Brasil, que ultrapassou 10%, profissionais e empresas estão buscando soluções criativas tanto para cortar custos quanto para gerar novos negócios.

Nesse contexto, os espaços de coworking têm se tornado uma tendência exatamente por ser um ambiente fértil para buscar essas novas oportunidades, gerar ideias  e encontrar soluções.

E quais são as principais tendências para coworking em 2016?

1. A redução de custos atrai novos perfis de empresas

Os espaços de coworking já não são mais ambientes exclusivos de profissionais autônomos e startups. Em parte por causa da demanda de redução de custos e flexibilidade, empresas maiores estão cada vez mais buscando escritórios compartilhados como alternativas aos altos valores de aluguel e de estrutura.

Um dos benefícios mais óbvios de se optar por trabalhar em um coworking é o preço: nesse tipo de ambiente, é possível manter um endereço em uma região empresarial, próxima a potenciais clientes e parceiros, a um custo significativamente menor do que manter uma estrutura própria. Essa localização de escritório pode fazer a diferença na hora de receber ou visitar clientes.

Outra vantagem é a flexibilidade de contratos, que podem ter a duração bem menor do que escritórios permanentes; e a simplificação da administração do escritório, já que os espaços já oferecerem toda a estrutura de móveis, sala de reunião, telefone, internet e copa, por exemplo. Essa simplicidade e flexibilidade são atraentes mesmo para grandes empresas que mantém uma equipe menor em uma cidade ou país diferente de sua origem. E essa tendência está mudando o perfil de coworkers.

2. Oportunidades de crescimento pelas conexões entre indivíduos

Empreendedores têm desafios freqüentes no dia a dia, que vão desde questões do negócio em si até detalhes administrativos, como escolha de fornecedores, tecnologias e ferramentas de trabalho adequadas. Nesse sentido, o coworking tem se tornado um espaço de troca de informação e indicações, capaz de gerar oportunidades que aceleram processos, especialmente no caso de novos empreendimentos e negócios que dependem de tecnologia.

Exemplo claro disso são os compartilhamentos de prestação de serviços, indicações de softwares e tecnologias, recomendação de fornecedores e até mesmo trocas de ideias  e experiências sobre modelos de negócios.

Uma vantagem de se trabalhar em um espaço de coworking é a possibilidade de integração e relacionamento com pessoas de diferentes perfis e experiências. Essa troca é o fundamento da economia compartilhada: gerar valor pelas conexões com indivíduos de diversas empresas.

3. Coworking favorece o surgimento de novos negócios e oportunidades de trabalho

Outro reflexo da conexão entre indivíduos é que, uma vez que os coworkers convivem muito próximos, eles ajudam a indicar a qualidade do trabalho de outras pessoas e empresas dentro do mesmo grupo; ou até mesmo dão suporte para o crescimento de startups e ideias inovadoras com o surgimento de parcerias e relações de valor.  

Isso vale tanto para empresas quanto para profissionais autônomos que, ao conviver com um grupo de diferentes perfis, acabam se tornando referências na sua área de especialização para aquela rede de contatos. Com isso, surgem novas oportunidades de negócio e até de trabalho.

Como consequência, o coworking contribui para que profissionais prosperem mesmo em um momento de crise, encontrando alternativas de trabalho pela interação com outros profissionais e empresas; e algumas vezes até mesmo aprendendo novas áreas de atuação.

4.  Coworking está substituindo home Office, aumentando a produtividade

A tendência de substituir o home office por escritórios compartilhados tem se mostrado cada vez mais freqüente. E a primeira razão para isso é a possibilidade de interação humana, rara para quem trabalha de casa.

Uma vantagem desse modelo, principalmente para novos empreendedores e profissionais autônomos, é que um ambiente próprio para trabalhar incentiva a concentração e aumenta a produtividade – ao contrário de casa, onde é preciso muita disciplina para evitar a procrastinação. A interação com outros profissionais que estão trabalhando também funciona como estímulo para manter o foco nos projetos.  

E você, o que acha dessas tendências para 2016? Compartilhe sua opinião com a gente!